Dúvidas Frequentes (FAQ)

A Delphis é uma experiência que não pode ser descrita em palavras. Somente quem vem saboreia aquilo que acontece aqui. Não importa o que é, como se define, mas a qualidade que traz à sua vida.

“O Ashram sempre foi e ainda é, símbolo de religião, mas este termo não é errôneo para definir um espaço como este. A Delphis é mais do que isso, ela é uma escola da ciência do existir, um espaço físico onde meditadores se reúnem, compartilhando a energia da meditação. Juntos, fundem suas energias, gerando um campo energético saudável que, assim como, quando no meio da natureza, regenera suas pilhas. Este campo de energia é contagiante, não permanece apenas aqui, ela se espalha. Cada vez que um de vocês sair da Delphis leva consigo a vibração desta energia. E, em qualquer lugar que estiver pessoas são encantadas pela sua presença. A Delphis é um espaço onde se pratica meditação a cada instante, praticando, trabalhando, caminhando, sentando, comendo ou, simplesmente, fazendo nada.Se precisar dar uma definição à Delphis, Ashram é perfeitamente ok.”

Siddhartha

Em primeiro lugar praticar meditação! Diariamente, uma série de técnicas ativas acontecem, razão principal para estar aqui. Além disso, pode-se presentear com a beleza que este espaço oferece. Temos, também, aulas e outras atividades diárias dentro e fora da sede.

Curitiba é uma cidade fantástica para explorar, poderá andar pela vizinhança de bike, a pé, correr pelos parques e muito mais.

O motivo principal é a meditação. As pessoas procuram a Delphis para poder praticar no lugar onde Siddhartha vive e, eventualmente, compartilha seus discursos. Muitos buscam um descanso do estresse do dia a dia, outros estão dando um tempo na vida, mas sem dúvida aquilo que nos traz até aqui é o bem que as técnicas ativas do Siddhartha proporcionam em nossas vidas. Vir de vez em quando na sede é um regenerador de energia.
Como tudo o que Siddhartha nos proporciona, os nomes também são ferramentas, aqueles que usam um nome “diferente” receberam este presente do próprio Siddhartha. Este novo nome nos lembra a cada instante do caminho que estamos percorrendo. Assumir o nome é um florescer de uma vida sem personalidade.
A Delphis não é algo que o vincula a algo, mas sim o espelho de sua natureza. Vir aqui não significa ser parte de algo, mas aceitar o fato de que é livre e já é parte do todo. O nome não é uma obrigação, como tudo que acontece aqui não é!
Primeiro de tudo entenda que ao vir aqui está livre para quaisquer escolhas que faça em sua vida. O nome é uma forma de iniciação para uma vida totalmente nova, é aceitar a mão amiga do Siddhartha na escuridão e aventurar-se além dos limites que viveu até hoje. É uma decisão pessoal e precisa brotar do seu coração, não apenas por moda, mas para assumir sua existência. Pedir um nome é uma relação de amor entre sua essência e a essência da Delphis. Sugerimos que primeiro venha, saboreie o que a Delphis tem para lhe oferecer, pratique por um tempo e depois sinta a respeito desta decisão.
Não, você está bem vindo para participar.
Não existe uma maneira de classificar quem frequenta a Delphis, cada um é um ser totalmente diferente do outro, todos unidos pela meditação e pelo coração. De faixa etária entre 18 e 70 anos ou mais, todos somos crianças curtindo nossa estadia aqui.
Não. Pode vir praticar uma meditação por dia, pode permanecer o dia todo. Pode frequentar a Delphis todo dia ou de vez em quando. Varias técnicas já estão disponíveis em Cd para que pratique onde estiver.

Se quiser algo mais profundo poderá aderir ao programa: “seja voluntário” e permanecer na energia do Ashram diariamente por mais tempo.

Cada um é livre de ir e vir como quiser.

Em sua essência meditação é uma experiência simples, a sua pratica consiste apenas em observar a mente e o turbilhão de pensamentos que passeiam por ela. Se tornar consciente de tudo que acontece dentro e fora de nós. Não é uma forma de controlar a mente, parar os pensamentos, nem é um desafio para ver quem é mais poderoso “o eu ou a mente”. Ao contrário, é um estado de quietude de onde quem pratica observa.

Nestes tempos modernos surgiram inúmeras pessoas que dizem estar oferecendo “meditação”, mas em sua essência não são nem técnicas, pois visam o uso da mente e não a sua observação. Tudo aquilo que faz sua mente viajar pode até parecer poderoso, te levar em outros planos, te fazer sentir pleno e realizado, mas não deixa de ser viagem.

Na meditação; a mente está ai, para ser observada e não usada.

“Meditação é sinônimo de natureza, o teu estado primordial de existência. É a divina existência! A ordem no qual tudo, simplesmente, existe. Meditação não tem nada a ver com reflexão, concentração, mentalização, viagem astral ou qualquer invenção humana para definir ou alcançar um estado supremo de ser, ao contrário, ela é a forma mais pura e simples de vida.”

Siddhartha

Desde que os primeiros místicos compartilharam suas técnicas de meditação muita água passou por baixo da ponte entre natureza e humanidade, a vida quotidiana do ser humano, principalmente nas grandes cidades tomou um ritmo sem precedentes, exigindo menos fisicamente e mais mentalmente, tanto que a mente – o nosso HD – está cada vez mais sofisticada, rápida e repleta de informações. Deste estado de movimento encontrar uma posição inerte requer muito esforço, pois mesmo que o corpo esteja visivelmente imóvel a mente está em continuo movimento. A ideia da prática de técnicas de meditação ativa é manter corpo, mente e emoção ocupados com o momento presente, sutilmente cansando-os e os libertando dos efeitos colaterais da sociedade, para dar espaço a uma mente mais quieta e assim, ficar muito mais alerta para a prática em si e para a vida.
Cada pessoa é diferente da outra, cada ser vivo é único. As técnicas diferentes são para alcançar todo tipo de pessoa.
No começo sugerimos que experimente todas e verá que em sua essência cada uma tem uma qualidade que te atinge.
Um dia talvez encontre aquela que quer praticar mais tempo, aquela que se encaixa melhor para você.
Assim como, aos poucos, uma pedra bruta é lapidada pelas mãos de um experiente lapidador até a jóia rara e exuberante aparecer, a meditação nos liberta das impuridades adquiridas para que o verdadeiro eu possa aflorar.

A prática nos liberta gradualmente de toda a poluição social que recebemos no decorrer da vida. Aos poucos a prática nos traz de volta ao nosso estado natural, onde não é necessário ser algo ou alguém.

“Tudo aquilo que acredita ser será! Mas na verdade nada é! A meditação é o caminho, a liberdade um destino.”

A prática autorizada das técnicas de meditação ativa da Delphis é restrita àqueles que fizeram um treinamento especifico com Siddhartha, criador e detentor dos direitos autorais das músicas, dos CDs e das técnicas de meditação. Este treinamento é realizado na sede da Delphis dependendo da necessidade.

Todos aqueles que participarem do treinamento deverão, anualmente, comparecer para uma reciclagem logo após o carnaval e assim renovar seu Certificado de Facilitador ou Espaço de Meditação e autorização do direito de uso das técnicas em lugar público.

Para participar, o aspirante facilitador deverá ter praticado meditação junto à Delphis no mínimo um ano anterior ao treinamento e passar por uma prova de avaliação.

Para ser um Espaço de Meditação ou Facilitador das técnicas de meditação ativa do Siddhartha, além de participar do treinamento, deverá assinar um acordo em que aceita as normas, restrições e os termos de uso.

Espaços e membros da Delphis que estão autorizados deverão exibir o Atestado de Autorização em lugar visível, procure-o!
Verifique se o espaço é autorizado no blog: http://mundodelphis.org.br/onde-praticar/

Desde 2015 a Delphis adotou a cor laranja como oficial da entidade. Para as práticas e permanência aqui deverá vestir essa cor. Até então como todos sabem a cor usada era o branco. A ideia da mudança é que nada é permanente, o usar uma cor única cria uma atmosfera unificada e ajuda a focar toda nossa atenção para o interior e não no exterior. A cor laranja, quando usada por muitas pessoas meditando, cria um campo energético visual. Mas além de tudo usar uma roupa laranja é um lembrete de que está dedicando um pouco de tempo para si mesmo. Ao entrar na Delphis, vestir seus trajes laranja estará fazendo um ritual de passagem do mundo caótico lá fora para o mundo de paz aqui dentro.

“Siddhartha tomou a decisão de que não se usaria mais as roupas brancas durante as práticas da Delphis, mas não havia decidido, até então, qual cor seria usada.

Bom! Eu tive a chance de estar com ele durante o processo da escolha da cor. Em 2014 durante os meses que estávamos na Índia Siddhartha foi, aos poucos, se desprendendo da cor branca, e durante toda essa viagem dizia: “A cor vai mudar!”. Um belo dia, ele acordou com vontade de voltar à Tailândia, pois fazia muito tempo que não visitava seus amigos, então a Dhwani foi procurar passagens, Siddhartha ligou para os amigos e, quando eu vi, cheguei à chamada “Terra do Sorriso”… que pessoas lindas… Enfim, chegamos em Chiang Mai, no primeiro passeio pela cidade, Siddhartha convidou-nos a ir em um templo onde ocorria, naquele dia, a celebração do aniversário de Buda. Chegando lá, percebi que algo importante acontecia, pois havia muitos meninos sentados no centro do templo e vestiam-se com panos brancos (o engraçado era que Siddhartha estava vestido igual a eles), ao lado de cada um deles havia uma túnica laranja dobrada… Imagine como fiquei encantada com o momento, esse era o dia que iriam vestir as túnicas, o dia que se tornariam monges. Os meninos reconheceram nosso Mestre (Nono, como ele gosta de ser chamado) e se aproximaram dele, houve ali uma conexão indescritível, apenas pude sentir que, naquele momento, a técnica havia acabado e a meditação estava acontecendo. Aquele instante, que me pareceu horas foi quebrado com a voz de Siddhartha – “Que seja laranja então!”

Não leve como se fosse uma mensagem divina, ele apenas se entregou ao acontecimento e se deixou levar. Estava presente àquele momento e isso bastava para sua decisão se tornar concreta. Aquilo era a meditação… “O Ponto”.

É incrível ver que todas as decisões de Siddhartha são ferramentas para nossa transformação pessoal, ferramentas que se tornam técnicas de meditação e não há nada a ser feito, senão praticá-las…”

Aiyshah

Esta pergunta foi publicada no livro de meditação do Siddhartha “Meditação – O Caminho do Despertar” que compartilhamos aqui abaixo.)

“Tua natureza é descalça. O calçado foi criado para proteger os pés, para que eles não sintam dor. No sapato os pés perdem sua função básica. Deixam de sentir. Não sentem nem as dores nem os prazeres.

Os pés são uma das partes mais sensíveis do corpo humano, juntamente com as mãos, são responsáveis pelo reconhecimento dos ambientes pelos quais o corpo se movimenta. Os pés, além de garantir a locomoção, cuidam do seu equilíbrio. Neles se encontram diversas terminações nervosas, diretamente, ligadas a órgãos vitais e aos membros superiores e inferiores.

Ao caminhar descalço, estes pontos são estimulados, favorecendo o funcionamento do organismo. Se você ainda não experimentou, caminhe pelo mato descalço e verá! Seus passos serão mais atentos, sua sensibilidade aumentada. Reconhecerá cada lugar através dos pés. Sensações mágicas como a grama molhada, o musgo, preencherão seu coração, vivenciará seus cinco sentidos dançando em harmonia.

Segundo a tradição milenar usada no oriente, remover o calçado é um sinal de respeito a um espaço sagrado ou uma casa. Com os pés no chão, está mais presente, sensível, conectado e natural.

Meditação traz tudo isto também, os pés são uma ferramenta para a meditação, uma alavanca para viver no sentir.”

Siddhartha

Seja dentro da Delphis ou ao seu redor é seguro sim, claro que com um pouco de bom senso e cuidado não corre riscos, mas lembre-se que estamos no Brasil e estamos sujeitos à nossa realidade de vida. Aqui temos seguranças treinados, na rua não.
Sim, dispomos de armários com chaves no vestuário, você poderá usá-los durante sua permanência aqui, sem custos.
A Delphis é um espaço livre de celular, se pede para não usa-lo aqui.
As fotos deverão limitar-se a selfies, sendo proibido fotografar as propriedades vizinhas, a sala de meditação e qualquer pessoa sem sua permissão prévia.
A Delphis é livre sim, 99%. Mas, considerando que fumar ainda não é um crime, disponibilizamos um espaço reservado para os que precisam fumar.
A Delphis é um espaço desenvolvido para adultos, não temos o conforto necessário para receber crianças aqui.

Por isto, a sugestão quando vier passar um tempo aqui é de vir só, caso isto não seja possível, pesquise sobre escolas/hotel para crianças na internet ou traga uma pessoa que cuide delas enquanto você cuida de você.

“A natureza de uma criança é brincadeira, então deixe-a brincar! A sua natureza era brincadeira, mas você deixou de brincar e a perdeu! Meditação em sua essência é brincadeira. Esta brincadeira já é a técnica para toda criança, não interfira nesse brincar. Apenas conecte com a criança que existe dentro de você.”

Siddhartha

Siddhartha enfatiza que brincar é a forma de uma criança estar presente e que não é o intento da Delphis que a prática se torne um trauma na vida de uma criança sendo obrigada a ficar em meditação.
Para frequentar a Delphis a idade mínima é de 18 anos. Caso tenha uma idade inferior aos 18 anos (17/16 ou até 15 anos), mas chegou ao nosso site por livre e espontânea vontade e não por vontade de seus pais e sentiu um chamado, poderá participar sim, mas apenas com autorização por escrito dos pais. Para sua comodidade estamos à disposição para auxiliá-lo neste processo legal.
Considerando que a Delphis é um espaço público, alguém com gripe pode tornar-se um veiculo de propagação do vírus. Mesmo assim não proibimos a entrada de quem esteja gripado, principalmente porque muitos vêm de outros estados e seria uma pena que não pudessem aproveitar o seu tempo em Curitiba integralmente. Sugerimos que venha com uma máscara para evitar que um espirro acidental possa provocar constrangimento. Converse com alguém da equipe para orientações. Caso vier sem máscaras pergunte na portaria pois sempre terá lá algumas de reserva. O importante é você saber que aqui sempre teremos um lugar para você e você é sempre bem vindo!